segunda-feira, 22 de junho de 2020

Montar móveis da IKEA: sozinho… ou com ajuda?



Todos conhecemos os móveis da IKEA e sabemos que nem sempre são fáceis de montar! Muitas vezes, as instruções têm dois bonequinhos – o que indica que são precisas pelo menos duas pessoas para montar – e não são de todo claras. Se está indeciso sobre comprar e montar móveis da IKEA, estas são as suas opções:

Contratar um serviço de montagem


A IKEA oferece um serviços de entrega e montagem por um custo extra (e por cada móvel). De um modo geral, isto significa que os móveis ficam pelos preços que encontra nas lojas tradicionais. Por outro lado, a IKEA contrata empresas externas para fazer as entregas e as montagens, por isso também pode procurar montagem de mobiliário IKEA em plataformas como a Fixando. A vantagem é que estas empresas vão cobrar pelo tempo e não pelo número de móveis que têm de montar. Compare orçamentos e decida!

Experimente sozinho como um desafio!


Apesar de alguns móveis da IKEA serem mais user-friendly do que outros, todos eles são como um puzzle. Por isso, veja a montagem dos móveis da IKEA como um desafio ou um quebra-cabeça. De certeza que no final ficará surpreendido com o resultado dos seus esforços e orgulhoso de si mesmo. Lembre-se é de comprar as ferramentas certas de antemão!

Peça ajuda a amigos e familiares


Não consegue montar o sozinho? As instruções de montagem estão disponíveis no site da IKEA, por isso é fácil verificar se vai precisar de duas pessoas ou não. Se sabe que uma pessoa não consegue montar o móvel sozinha, convide amigos e familiares para se juntarem. No final, ofereça um jantar e de certeza que todos se vão acabar por divertir!

Prefira o comércio tradicional


Finalmente, a última opção: não comprar na IKEA. A maioria das lojas tradicionais ainda inclui o transporte e a montagem no preço, pelo que pode acabar por pagar praticamente o mesmo e ainda ajuda empresas nacionais. Outras sugestões para mobilar a casa sem ir à IKEA são remodelar móveis antigos, fazer móveis por medida num carpinteiro ou comprar móveis usado

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

Como falar em público


Falar em público é crucial para muitas profissões, mas também é um medo comum. Algumas pessoas têm pânico de falar para uma sala cheia de pessoas. Outras não conseguem captar a atenção dos ouvintes, ou falar de forma clara para toda a gente. Mas, como já dissemos, falar em público é tão necessário que todos devemos fazer um esforço para aprender como falar em público.



Treinar ao espelho. Se vai fazer uma apresentação em público, experimente ensaiar primeiro em frente ao espelho. Embora o discurso possa perder alguma naturalidade, o mais provável é que flua melhor quando chegar a hora da verdade. Pode gravar a sua voz com um gravador, corrigir os erros e treinar uma segunda vez.

Estruturar bem a apresentação. Não se esqueça pode levar sempre um suporte, como uma apresentação em Power Point, para se apoiar enquanto fala em público. Tente estruturar esta apresentação em fases distintas e com os dados básicos de que vai precisar, para ter sempre essa “muleta” consigo.

Treine a linguagem não verbal. A linguagem não verbal comunica quase tanto como o que está a dizer. Treine a sua postura, os movimentos com as mãos, os gestos e as expressões que vai utilizar. Escolha uma roupa confortável e que o faça sentir confiante.

Prepare algumas piadas para quebrar o gelo. Parte da estranheza de falar em público é falar com desconhecidos, às vezes sem receber qualquer resposta. Por isso, é bom pensar em formas de “quebrar o gelo” logo no início. Uma forma de o fazer é pensar em algumas piadas para quebrar o gelo. Depois, use exemplos reais ao longo da apresentação para se aproximar do público.

Guarde o melhor para o fim. Mesmo que tenha alguns problemas a “arrancar”, a impressão com que as pessoas vão ficar é o que guardar para o final.

Tente pensar noutros temas nos dias anteriores. Nos dias anteriores à apresentação, tente distrair-se com outros temas e não passar todo o dia a pensar apenas no público e na tarefa que tem pela frente. Confie na sua preparação!

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Melhores sites para cursos online



Se está a tentar iniciar uma nova carreira a trabalhar à distância, em que pode criar o seu próprio emprego virtual, a primeira coisa a fazer é apostar na sua formação. Felizmente, até os cursos podem ser feitos à distância! Fique a conhecer os melhores sites para fazer cursos online. 


Coursera


O Coursera é um dos websites mais conhecidos do Mundo para fazer cursos online. A plataforma tem cerca de 200 cursos, todos leccionados em Inglês e a nível universitário. Há, inclusivé, universidade reconhecidas com cursos no Coursera – Princeton, Columbia ou o Imperial College of London. Durante o curso, os alunos têm de fazer tarefas e trabalhos sobre a matéria aprendida. 

Udacity


O Udacity foca-se sobretudo em cursos tecnológicos, sobre computação, programação e inteligência artificial. São todos gratuitos, à base de vídeo-palestras e exercícios (todos de nível universitário). O objectivo é preparar profissionais de TI para avançar a sua carreira através de MOOC (Cursos Online Massivos e Abertos) e a plataforma tem aquilo a que chama “nano-licenciaturas”.

Udemy 


O Udemy é outro dos websites mais conhecidos para fazer cursos online e apostar na sua formação. No total há quase 5000 cursos disponíveis na plataforma. Os cursos são ministrados por vídeo e áudio, embora às vezes haja outros recursos mais interactivos. A maioria das universidades parceiras da plataforma são universidades americanas. Os cursos vão dos 0 aos 29 dólares. 

The Great Courses


O Great Courses não tem cursos gratuitos (os preços começam nos 20 dólares e ascendem aos 200). Tal como os restantes websites desta lista, os cursos funcionam sobretudo via vídeo-palestras e aulas de aúdio. Não é tão conhecido como os outros nomes desta lista. Mas é interessante no sentido que tem cursos para vários níveis, e não apenas para o nível universitário. Se não tem “bagagem” para cursos avançados, é um bom sítio para começar.



domingo, 5 de maio de 2019

O que são as fachadas ventiladas e como funcionam?


É cada vez mais comum ouvirmos falar em fachadas ventiladas, pois são consideradas mais eficientes. Mas afinal, em que consiste o sistema das fachadas ventiladas? Como é que funcionam as fachadas ventiladas?

A principal característica das fachadas ventiladas é o sistema de juntas aberta. Isto significa que as aberturas inferiores e superiores não estão completamente vedadas. Isto cria uma lâmina de ar na cavidade entre as duas paredes do prédio, normalmente entre 10 a 15 centímetros. Quanto maior, melhor.

Maior conforto térmico


É essa câmara de ar que proporciona maior conforto dentro do edifício. As casas perdem menos calor no Inverno e arrefecem mais facilmente no Verão. Além disso previne a condensação e, portanto, há menos probabilidade de ter condensação ou humidade em todo o edifício.

Elimina infiltrações de água


Mas os benefícios do sistema de fachadas ventiladas estão longe de terminar. Quando adaptado corretamente às necessidades específicas de cada prédio, as fachadas ventiladas têm a capacidade de eliminar as infiltrações de água. Ao controlar a entrada da água das chuva, elimina-se uma das mais frequentes causas de deterioração das fachadas.


Fachadas mais limpas


Curiosamente, esta é a mesma razão pela qual as fachadas ventiladas se conseguem manter limpas por mais tempo. Como a água da chuva não é absorvida, esta acaba por atuar como uma lavagem da fachada. Assim, o condomínio reduz a despesa com manutenção de fachada.

Fácil manutenção


Por falar em manutenção, existe uma outra vantagem que merece ser destacada. Como cada painel da fachada ventilada é independente, caso haja algum danificado, pode ser facilmente reparado ou trocado sem afetar a restante fachada.

Variedade


No que toca a escolher a aparência, os construtores têm à sua disposição uma variedade de materiais, cores e formatos. Existem placas de fachadas ventiladas em cerâmica ou porcelanato, vidro, madeira, metal.

Características breves de cada material:

  • A cerâmica/porcelanato é um clássico e um dos materiais mais usados. Permite uma grande variedade de cores, espessuras e texturas.
  • O vidro é muito usado em prédios comerciais, pois deixam entrar luz para melhorar o ambiente de trabalho.
  • Os painéis de fachadas ventiladas em madeira são muito resistentes à intempéries.
  • As fachadas metálicas são a última tendência. O preço acessível e a grande durabilidade são a sua maior vantagem.

segunda-feira, 15 de abril de 2019

O carro ideal para uma família jovem



Sou uma grande adepta dos transportes públicos. Nunca comprei um carro - sempre achei que não era um bom investimento, porque o carro perde valor no minuto em que o compramos. Mas agora encontrar uma casa com renda acessível no centro da cidade, e não nos resta outra opção que não seja ir viver para os arredores. O problema é que isto implica comprar um carro também. Se para ir e vir do trabalho posso contar com o autocarro, o mesmo não acontece para ir ao supermercado ou até para ir com os miúdos à escola. O problema é que o orçamento não estica! Portanto, qual é o carro ideal para uma família jovem?




Carrinhas híbridas


Tenhamos em consideração que comprar um carro a gasolina não é uma opção para nós. Não só porque são mais poluentes, mas também porque o objectivo da Europa é eliminar os carros a gasolina a médio-prazo. Existe a possibilidade de serem proibidos dos centros da cidade ou de virem a pagar taxas extra, por exemplo. Então, não nos parece um investimento seguro… Daqui a uns anos, não queremos estar a pagar o crédito de um carro que já nem podemos usar. Portanto, estamos virados para os híbridos e para os carros eléctricos.


Ainda ponderamos comprar o carro em Espanha. Em Espanha os carros são ligeiramente mais baratos do que aqui - basta a diferença do IVA - mas mesmo assim não compensa a despesa de legalizar um carro estrangeiro. Por isso abandonámos a ideia, mas já tinha estado a pesquisar sobre os melhores carros em blogues Espanhóis. O híbrido com melhor relação preço-qualidade parece ser o Hyundai Ioniq Hybrid, será que o mesmo é válido para Portugal? O que acham?




Caracterísicas do Hyundai Ioniq Hybrid 2020:


  • 141CV Tecno, propulsor 1.6 
  • GDI de gasolina com 105 CV e um eléctrico de 43 CV
  • “Green Zone Mode”, para conduzir usando apenas energia elécttrica 
  • Travão autónoma de emergência
  • Ecrã de 10.2’’

domingo, 17 de fevereiro de 2019

Como tratar a humidade em paredes interiores



Um dos problemas mais comuns que temos nas nossas casas é humidade nas paredes interiores. Quando a humidade resulta de infiltrações nos terraços e nas varandas, por exemplo, a única forma de resolver o problema é tratar a causa. Mas há outras situações, especialmente na casa de banho e na cozinha, em que tratar a humidade está ao nosso alcance.

Nestes casos, a humidade deve-se à concentração de vapor de água nestas divisões. Para evitar a acumulação de vapor, há algumas coisas que pode fazer:

  • arejar mais a casa, especialmente a cozinha;
  • instalar um extractor mecânico nas casas de banho interiores;
  • lavar as paredes de azulejo com água fria depois dos banhos;
  • usar desumificadores nos compartimentos com humidade.

Mas estes são passos que pode seguir para evitar a humidade. Quando as paredes já têm sinais de humidade, é preciso limpá-las e pintá-las de novo. Se tem humidade nas paredes interiores, siga estes passos para tratar da humidade.

1. Coloque um produto anti-mofo num pano seco.


Coloque um produto anti-mofo (ou, em alternativa, lixívia ou vinagre) num pano seco. Limpe a humidade, os fungos ou o bolor com movimentos circulares até desaparecerem completamente.

2. Aplique o primário.

Proteja o chão, os armários e as outras zonas do compartimento. Depois, aplique um primário ou uma tinta anti-manchas. Prepare o tabuleiro e mexa bem a tinta. Use um rolo e pinte no sentido ascendente. Deixe secar durante 6 horas.


3. Aplique a segunda demão.

Depois de secar a tinta anti-manchas, aplique uma segunda demão com o rolo de pintura. É aconselhável usar uma tinta plástica e anti-bolor (antifúngica, anti-mofo) para evitar que a humidade volte a aparecer com a mesma facilidade.


Depois, e para conservar as suas novas paredes imaculadas, aplique todos os métodos que sugerimos acima - arejar, instalar um extractor e usar desumidificadores.


segunda-feira, 25 de junho de 2018

Afinal, quanto custa um contabilista?



Afinal, quanto custa um contabilista? Ter um contabilista certificado é obrigatório para quem quer fundar uma empresa, portanto esta questão surge uma e outra vez na cabeça dos jovens empreendedores portugueses. O website Emprego Virtual, que se especializa a dar dicas de negócio a futuros empreendedores e freelancers, decidiu pôr tudo em pratos limpos e desvenda quais são, afinal, os honorários dos contabilistas em Portugal.


Nem todos os contabilistas são iguais.

Se está à procura de um contabilista para preencher a sua declaração de IRS, então não precisa de contactar um contabilista certificado. O mesmo acontece se é um trabalhador independente com contabilidade não organizada. Mas se o objectivo é mesmo contratar alguém para preencher as declarações fiscais da sua empresa, então não tem mesmo outra opção: precisa de um contabilista certificado, um técnico oficial de contas (TOC).

Ora, estes últimos praticam honorários mais elevados do que os restantes profissionais. De acordo com o mesmo website Emprego Virtual, um contabilista certificado no Porto pede no mínimo uma avença de 50€ mensais, sendo que a média entre as start-ups (micro e pequenas empresas no início da sua actividade) ronda os 150€. Definitivamente, uma despesa que quererá ter em consideração no seu orçamento!

Os valores sobem à medida que as empresas crescem - uma empresa média terá uma avença de 300€ com contabilista certificado, por exemplo. A determinada altura (e claro, dependendo da natureza do seu negócio), pode mesmo compensar contratar um contabilista full-time do que fazer outsourcing destas tarefas com uma agência de contabilidade.

A pesquisa do website apenas menciona os valores para a cidade do Porto, onde se concentram a maioria das novas PMEs de Excelência. No entanto, é provável que os preços variem ligeiramente noutras zonas do país: geralmente Lisboa é a cidade onde os serviços de administração e recursos humanos são mais caros, enquanto que no Interior os valores podem ser bem mais baixos.